"Continuo a mesma Cora de sempre, prefiro ser considerada rude, irônica, a viver com máscaras"

Coragoiana

sábado, 24 de abril de 2010

domingo, 18 de abril de 2010

O vídeo “a velha a fiar” nesta versão de 2007 é interessante devido a ilustração envolvendo a ludicidade, porém, não se compara a riqueza de criatividade do filme original do cineasta Humberto Mauro, em 1964. O filme original ilustra a canção popular de mesmo nome, executada pelo Trio Irakitã, aliás, - maravilhosa canção - para quem não sabe este filme é considerado o primeiro videoclipe brasileiro, e um dos primeiros do mundo. Uma valoroza expressão cultural!


Na minha humilde opinião, a versão de 64, comparando a tecnologia daquele tempo à de hoje, supera em todos os quesitos a versão atual. A beleza, a simplicidade, a forma singela e autentica de mostrar em um curto tempo a dureza meio a beleza e alegria da vida na fazenda. O filme retrata perfeitamente a minha infância, talvez seja por isso, a minha enorme admiração. Até a melodia revela meu mundo infantil. O pilão, o monjolo, a bica d‘água, a roupa no varal, o velho acendendo o pito (cigarro) com o tição, o tipo das casas, a cerca de arame, a paisagem, o carro de boi, o forno de barro e finalmente a velha fiar, diante do ciclo da vida, com uma naturalidade e calmaria tão grande, que sustenta até a morte. Cumprindo, fielmente, a rotina daquele tempo maravilhoso da minha infância no interior de Goiás. Nota 1000!

Fiz questão de postar as duas versões, só para saber a sua opinião.
Letra da canção do vídeo


A Velha a Fiar

Estava a velha em seu lugar,

veio a mosca lhe fazer mau

A mosca na velha

e a velha a fiar

Estava a mosca no seu lugar

veio a aranha lhe fazer mau

A aranha na mosca, a mosca na velha

e a velha a fiar

- - - - - - continuar acrescentando

o rato, o gato, o cachorro,

o pau, o fogo, a água,

Tecnologia: ontem e hoje - A Velha a Fiar

Tecnologia: ontem e hoje - A Velha a Fiar